Os mil e um nomes de ‘Kadafi’

A gente chama de Kadafi. A concorrência, de Gaddafi. O The New York Times  usa Qaddafi. Tem agência de notícia que usa Gadhafi. Na imprensa brasileira, também se lê Kadhafi. A rede de TV ABC, dos EUA, listou 112 maneiras diferentes  de chamar o famigerado ditador líbio. Mas, afinal, qual é a maneira certa de escrever o nome do sujeito?

Depende. A confusão toda começa com o desafio de transpor os fonemas de um alfabeto para outro. Problemas parecidos acontecem com o japonês, o chinês e outras línguas que usam notações diferentes do nosso bom e velho ‘de A a Z’. É o caso do árabe de Kadafi. Ou Gaddafi.  Enfim.

De acordo com o professor de língua árabe Mamede Jarouche, do departamento de Línguas Orientais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), a confusão vem dos fonemas desse idioma que não existem em português. Quando a transliteração do alfabeto árabe para o latino é feita, adaptações são necessárias.

Vamos lá. Primeira sílaba. O fonema da primeira letra do nome de Kadafi é uma consoante uvular. Algo como um ‘Q’ seguido de um som aspirado no fundo da garganta , muito difícil de ser pronunciado para quem fala português. “É algo entre o nosso ‘K’ e o ‘Q’. Mas na nossa o ‘Q’ sem ser seguido de ‘U’ fica estranho. Por isso alguns usam o ‘K’”, diz Jarouche.

Muito bem. Próxima sílaba. O ‘D’ do nome de Kadafi, em árabe, tem um som próximo ao ‘th’ do inglês (como em ‘the’- aquele som que todo mundo penou para aprender na aula de inglês). Segundo a professora Sana Abou Jubran, também da FFLCH/USP, esse som geralmente é transliterado para o alfabeto latino como um ‘D’ dobrado, apesar deste dígrafo não existir em português.

Última sílaba. ‘Fi’. Essa não tem diferença. Mas e quem escreve com dois efes (Kadhaffi)?  “Quem escreve assim não sabe nada. Tá errado”, brinca o professor Jarouche.

De acordo com a professora Sana, mesmo o primeiro nome do ditador – Muamar – tem peculiaridades fonéticas. “Entre o ‘Mu’ e o ‘A’ existe um som que não existe no alfabeto latino. Às vezes é representado por um apóstrofe. A segunda parte do nome, seria representada com duas letras ‘M’ . Assim temos:  ”Mu’ammar Qaddafi’.

É esse o certo? Ainda não. No dialeto árabe usado na Líbia, a tal da consoante uvular tem som de ‘G’. Daí muitos veículos usarem Gaddafi. No árabe padrão – mais clássico, utilizado na ciência e na literatura – o tal fonema do ‘Q aspirado’ é o correto. Além do nome e do prenome, Kadafi, como a maioria dos árabes, tem um artigo entre os dois, apesar dele ter sido limado na maior parte das grafias adotadas no Ocidente. ” Seria al-Qaddafi na versão padrão, ou el-Gaddafi, no dialeto”, explica a Sana.

Mas, afinal de contas, o que quer dizer o nome do ditador em árabe? O professor Jarouche explica: ” No árabe, todo substantivo deriva de um verbo. Kadafi quer dizer aquele que dispara, ou o disparador. E tem um significado mais chulo também…”.

Em um momento como este, no qual o ditador ordenou ataques aéreos contra a população civil para aferrar-se ao poder, não deixa de ser cruelmente irônico.  Mu’ammar al-Qaddafi, Mu’ammar el-Gaddafi ou Muamar Kadafi, como nos recomenda o manual de redação do Estado, poderia ser traduzido simplesmente como ‘facínora’.

Fonte: ESTADÃO

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s